Justiça de Piracicaba suspende decisão sobre estudos para reabertura do comércio

A Associação Comercial e Industrial de Piracicaba (Acipi), o Sindicato do Comércio Varejista de Piracicaba e Região (Sincomércio Piracicaba) e Câmara dos Dirigentes Lojistas de Piracicaba (CDL) entraram com um pedido na Justiça de Piracicaba para reconsiderar a tutela que tinha sido indeferida no dia 29 de abril, para abertura do comércio local, “em razão de novas circunstâncias, peculiaridades e dados concretos”.
Em decisão, o MM Juiz dá prazo de 48 horas para que a prefeitura de Piracicaba apresente plano para possível reabertura do comércio.
O caso surpreendeu todas os políticos das cidades da região, assim como o prefeito de Piracicaba, Barjas Negri, que já havia tentado flexibilizar o comércio local, mas foi impedido por decisão do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.
Com essa decisão, ocorreu um conflito com decisões diferentes para a mesma solicitação, abertura do comércio.
Consultado, o procurador-geral do município de Piracicaba, Milton Sérgio Bissoli, informou que a prefeitura iria aguardar um parecer da Justiça para decidir se iria ou não iniciar um plano de reabertura do comércio da cidade.
Aqui em Capivari as forças políticas e comerciais já agitavam para seguir o exemplo de Piracicaba.
Entretanto o magistrado reconheceu que havia um conflito de decisões judiciais, visto que uma instância superior já havia barrado a flexibilização da quarentena no município.
Assim, o juiz da 1ª Vara da Fazenda de Piracicaba, Wander Pereira Rossette Júnior, voltou atrás e suspendeu a determinação para que a prefeitura apresentasse um plano de reabertura do comércio da cidade em 48 horas.
A quarentena segue até 31 de maio.